28 novembro 2010

Diário de Viagem em Lisboa

 


video
 Largo de Santo António, 14 de Junho de 2010 (filme: Cate)

O lançamento está para breve - início de Dezembro. Pode já ser encontrado no sítio da Quimera.

15 novembro 2010

Benedito-das-bolotas

Wacka-wacka. Assim eram as manhãs em Hastings, todos os dias sem falha. Mas mais do que sobre Hastings este texto é sobre um pequeno pica-pau americano.


Melanerpes formicivorus, ou Benedito-das-bolotas. Assim se chama esta espécie colonial conhecida pelos seus celeiros, que se distribui desde o noroeste dos Estados Unidos da América até à Colômbia. Sendo uma das espécies de aves melhor estudadas em Hastings - e apesar de não ser uma das espécies presentes no poster da NestWatch (mencionado anteriormente aqui e aqui) - mereceu a minha atenção durante vários dias.


Comecei por me familiarizar com as aves. Muitas horas passadas num abrigo a observar uma cavidade, e o tráfego de aves ao seu redor - cada grupo pode ter cerca de doze membros. E são bastante territoriais. Esboço a esboço fui compreendendo melhor a morfologia desta espécie. Percebendo como identificar machos e fêmeas - estas últimas possuem uma banda transversal preta no topo da cabeça. Familiarizando-me com posturas típicas desta espécie.


Tomando notas de padrões. Muitas notas, de muitas coisas que nunca terão grande aplicação directa - mas que me levaram a observar com mais atenção aos objectos de estudo.


Os esboços sucediam-se ao sabor da oportunidade. Rápidos, como as visitas das aves ao ninho. Num instante aparece uma ave - entra na cavidade e desaparece do alcance visual. Depois tão rapidamente como chegou, voa para longe.


Contei com uma possibilidade inesperada - uma ave incapacitada de ser devolvida ao estado selvagem, era mantida pelos investigadores residentes. O Benedito-das-bolotas considerava-os o seu grupo familiar, e respondia agressivamente a todos os intrusos - eu incluído. Inicialmente pedi para desenhar a ave, mas o facto de estar sentado ali frente à gaiola deixou-a num tal estado de fúria que passados poucos minutos decidi ir-me embora - não valia a pena estar a agitá-la daquele modo, por mais que me desse jeito estar próximo para notas de pormenor.


Surgiu então outra possibilidade inesperada - uma ave embalsamada. Aproveitei para tomar notas mais detalhadas da plumagem e patas. Ganha-se informação sobre detalhes, mas perde-se em comportamento - e para isso nada substitui a observação directa.


Durante as vigílias junto à colónia fui presenciando e registando alguns comportamentos. Aqui um membro do grupo caçava escaravelhos em vôo. Repetidamente lançava-se a partir de um ramo ao qual regressava após cada incursão.

Um outro pormenor que me chamou a atenção - numa das observações uma ave estendeu a língua e tornou a recolhê-la num ápice. Foi um movimento rápido que me permitiu um vislumbro numa das mais incríveis adaptações desta família - a sua língua. Nos pica-paus esta é bastante grande, encontrando-se enrolada de modo complexo em torno do crânio (alguns exemplos aqui). É com este orgão terminalmente denteado que detectam e arpoam as larvas de insectos dos quais se alimentam.
Outra coisa que se tornou óbvia - apesar de todas as aves da colónia utilizarem e depositarem os seus ovos num mesmo ninho, no território de um mesmo grupo existiam várias cavidades. O local onde passei a maior parte dos dias tinha um ninho activo situado imediatamente acima de um outro inactivo, na mesma árvore. Muitas das observações eram de aves chegando ao ninho com alimentos para as crias, saindo pouco de pois em busca de mais alimento. Apesar de os grupos serem mais numerosos que os de Tordos-azuis-ocidentais - uma outra espécie com estratégia reproductiva cooperante e que me interessava desenhar, passavam-se igualmente grandes períodos em que nada havia a fazer senão esperar.


Voltei de Hastings com muitos esboços de Beneditos-das-bolotas - e de outras espécies. Que ficaram a repousar, pois não tinham utilidade no imediato. No entanto estas notas têm sempre préstimo, mais cedo ou mais tarde haverá necessidade de recorrer a estas. E foi exactamente o que se passou quando quase três anos decorridos desde que parti da Califórnia me perguntaram se estaria interessado em ilustrar um poster com seis espécies de aves - uma das quais o Benedito-das-bolotas. A resposta não se fez esperar.
Benedito-das-bolotas, Melanerpes formicivorus - BirdScope, Cornell Lab of Ornithology

E foi assim que dei bom uso a todo o conhecimento apreendido durante muitas horas de espera e notas frente ao ninho dos Beneditos. Raramente há oportunidade de observar directamente uma espécie a ilustrar, de tirar apontamentos no local, de observar como se comporta em estado selvagem. O que é pena, pois o desenho de campo aporta grande riqueza e uma maior qualidade à arte-final. E quanto mais tempo a observar e desenhar uma espécie, melhor o nosso conhecimento da mesma e melhor a capacidade de a representar.

Mesmo que demorem vários anos até que a oportunidade surja.

11 novembro 2010

Sanhaço-d'asa-preta

E aproveitando a temática de carvalhos da entrada anterior, mais uma peça do livro The Bird Watching Answer Book.

Sanhaço-d'asa-preta, Piranga olivacea em Quercus alba

Tive a oportunidade de ver esta espécie ao vivo - é incrível como uma ave de coloração encarnada tão forte consegue passar despercebida na folhagem. E passa mesmo, num belíssimo exemplo de cores complementares em acção.

10 novembro 2010

Outono no Douro Internacional

Antes que todas as folhas caíssem, desenhei e pintei este ramo com bugalhos.


Carvalho, Quercus sp. - Douro Internacional

09 novembro 2010

Diário de Viagem em Lisboa

Uma cidade. Sete colinas. Sete desenhadores - um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. E um olisipógrafo. Um livro. Sete percursos. Sete abordagens.


Brevemente.

08 novembro 2010

E no estirador está...

...o esboço de uma ilustração de Mariquita-d'asa-amarela.

Mariquita-d'asa-amarela, Vermivora chrysoptera

03 novembro 2010

E no estirador está...

...o estudo preliminar de uma ilustração de Andorinhas-das-árvores.


Andorinhas-das-árvores, Tachycineta bicolor


Aves dos Açores

A SPEA e a Loja de História Natural associam-se na apresentação do livro Aves dos Açores, já no próximo dia 8 de Novembro, a partir das 18h30.



Contará com a presença dos autores, e será um óptimo pretexto para conhecer esta obra - e para quem ainda não o fez, visitar a Loja de História Natural.

Fica o convite feito a todos os interessados em Priôlos, Paínhos, Cagarros e Garajaus. Apareçam!